William Bonner é mais um famoso alvo de ofensas vindas de perfis fakes na internet. O jornalista usou seu Instagram nesta quinta-feira (1) para fazer um longo desabafo, denunciando o que considerou abusivo: um usuário, ou usuária, que criou 23 contas diferentes para insultá-lo na rede social.

A declaração veio à tona depois que o jornalista postou uma foto do seu pai, William Bonemer, morto em novembro de 2016, e foi xingado nos comentários da homenagem.

Leia a declaração:

A pessoa me insulta desde o anúncio do fim de meu casamento, há ano e meio. Eu a bloqueio.

A pessoa cria outro perfil. E insulta meus seguidores em comentários infantis, mas grosseiros. Eu bloqueio.

A pessoa cria outro perfil. Manifesta o desejo de que eu morra. E de forma lenta e dolorosa. Alguns seguidores ficam horrorizados, envolvem-se em discussões, acabam sendo desrespeitados. Eu a bloqueio. E bloquearei sempre. É do jogo.

E a pessoa cria mais um perfil pra ultrapassar todos os limites, ao desrespeitar um registro da memória de meu pai. É muito feio. É perverso. Doentio.

Eu bloqueio mais uma vez. A vigésima-terceira, se não errei as contas. Talvez tenha sido a vigésima-nona.

Mas compartilho uma preocupação.

Será que essa criatura tem alguma interação com seres humanos no mundo real? Ou se trata de alguém profundamente doente e só?

Será que essa agressividade desmedida se esgotará sempre no ambiente caótico de um espaço pra comentários? Ou devo dar atenção à ameaça de me agredir fisicamente na rua?

Será que sou o único alvo da ira patológica dessa pessoa? Ou ela cria perfis fakes seguidamente pra perseguir outras?

A gente costuma acreditar que o desprezo é a arma adequada contra haters. Mas, hoje, ao me deparar com os comentários na foto de meu pai, essas questões todas ganharam dimensão, pra mim. E achei que talvez fosse o caso de provocar alguma reflexão entre os que acham que pra tudo existem limites. Ou deveriam existir.

Fonte Noticiasaominutobrasil

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here