Está sendo possível de agricultores familiares produzirem alimentos de primeira qualidade, que são diretamente doados a famílias em situação de insegurança alimentar. Se dá pela ação conjunta entre órgãos públicos dos três níveis de governo, a partir do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), que é gerido e custeado pela Conab, em sua modalidade ‘Doação Simultânea’. Centros de referência de assistência social municipais (Cras), fazem o repasse dessa produção a entidades beneficentes e diretamente a população carente. O Estado, por sua vez, fortalece os meios de produção, com a irrigação, assistência técnica e assessoramento documental.

Foi assim nesta quarta-feira (7), quando os agricultores irrigantes do Perímetro Irrigado Piauí, administrado pela Companhia de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Irrigação de Sergipe (Cohidro), fizeram a primeira entrega ao PAA no ano. As associações Movimento Associativista do Brejo e de Produtores do Perímetro Irrigado Piauí (Appip), juntas coletaram 10 toneladas de alimentos dos seus associados, repassados aos Cras dos municípios de Lagarto, há 75km da capital e onde é feita a produção agrícola, e do vizinho Simão Dias, distante 100km de Aracaju.

Diretor-presidente da Cohidro, José Carlos Felizola justifica o porquê da empresa dedicar parte do seu pessoal de assistência, aos projetos do PAA. “A Conab, que é uma grande parceira de nossos agricultores, tem uma tabela de preços pagos aos produtos justa, superior àquilo que os agricultores recebem dos negociantes locais. Isso gera melhor renda e incentiva o esmero do agricultor, para oferecer um produto de excelente qualidade, sem riscos de ser recusado pelas entidades receptoras e isso interferir na sua permanência do projeto. Mas o melhor de tudo é que nas duas pontas deste caminho, ambos ganham. O alimento vai parar na mesa de quem precisa muito. Um outro incentivo para superar dificuldades, seja nas entidades socioassistenciais, seja por parte das famílias diretamente assistidas”, considera.

Antônio Cirilo Amorim, presidente da Appip, reforça a importância de fornecer produtos de primeira linha ao PAA. Nessa primeira coleta, foram 4.503 quilos, quantidade que ele garante que vai aumentar nas próximas entregas, quando os agricultores estarão mais engajados. “Eu falei para os produtores: mande pouco, mas mande produto de qualidade. Pois esse alimento é doado para pessoas diferenciadas, pessoas carentes que merecem ser bem atendidas pelo programa. Até porque o preço está, nesse projeto, muito bom”, argumenta o irrigante que contribuiu fornecendo a batata-doce que plantou, mas outros associados entregaram quiabo, cebolinha, macaxeira, alface, couve, coentro e acerola.

Da associação do Povoado Brejo, o presidente Gedeão José de Santana, diz que as entregas renderam aproximadamente 6 toneladas de alimentos, que incluíram batata-doce, acerola, pepino, laranja, jaca, quiabo, couve, coentro, alface, cebolinha e macaxeira, entregues ao Cras de Lagarto, que tem cadastradas 1.700 pessoas para receber as doações. “É um programa muito bom, um programa que vem assegurar o homem no campo. Ele planta com garantia de preço, porque independente do mercado, a gente tem uma garantia de preço do início ao fim do programa. Não são grandes produtores, mas a quantidade que ele produz, ele já está com o preço garantido, porque ele já pode plantar sabendo o preço que vai vender. O programa é muito bom, porque ele tem garantia de venda”, acrescentou.

Apoio da Cohidro
A Appip formulou projeto onde participam 18 produtores-fornecedores, já no Brejo, são 16. Juntos, estes 34 produtores receberão R$ 250.000 para produzir 68 toneladas de alimentos beneficiando, nas doações, 3.800 pessoas carentes. Segundo Sandro Luiz Prata, gerente de Agronegócios da Cohidro, a primeira associação está executando o PAA com o seu sétimo projeto, a segunda, no terceiro. “Já estamos trabalhando com novas propostas para estes produtores e também em Canindé de São Francisco, com irrigantes do Perímetro Califórnia. Buscando as informações na Conab, de como o programa vai proceder em 2018 e auxiliar as associações na organização dos projetos. É importante reafirmar que quem propõe e assume o compromisso são os agricultores e a gente auxilia orientando no que eles precisam saber para acessar a documentação e formular os projetos, que eles encaminham a Conab”.

Desde 2008, quando os agricultores decidiram aderir ao PAA, já foram 3.232.280 quilos de alimentos produzidos nos perímetros da Cohidro só para a ‘doação simultânea’. Diretor de Irrigação e Desenvolvimento Agrícola da Cohidro, João Quintiliano da Fonseca Neto, explica que “o principal fator que favorece esses agricultores assistidos pela empresa atuarem continuamente, tendo projetos aprovados, é a irrigação. Sem a irrigação oferecida pelo Governo do Estado, eles não teriam como garantir a produção a qualquer tempo e por longos períodos de entrega.” comenta. Segundo ele, a queda de recursos destinados para a ‘doação simultânea’ em Sergipe, tem diminuído o tamanho e duração das propostas aceitas pela CONAB.

Ana Maria de Almeida é uma das agricultoras que participa do projeto da Appip, colheu o quiabo dos 0,33 hectares que tem plantando, mas já prepara área para ampliar o tamanho do cultivo. Além desse produto, também forneceu, na quarta-feira, cebolinha, coentro, alface e couve.  Ela não tem dúvida do motivo de ter aderido ao programa. “Porque é um projeto bom né? Ajuda sempre no financeiro da gente. Graças a Deus é um projeto que caiu do céu. A gente só tem que agradecer a Deus, porque deu tudo certo na vida da gente. Foi mandado de Deus e hoje nós temos algo para fazer e complementa a vida da gente”, avaliou.

Com a política de favorecimento e apoio às agrofamílias e tendo como base o conceito de que o pilar e sustentação de toda casa é a mulher, mãe, avó ou esposa; as novas determinações do conselho deliberativo do PAA, para 2017, foram de dar preferência aos projetos com o maior número de mulheres na hora de ranquear quais das propostas devem ser aceitas na concorrência pelo orçamento, que no ano passado foi bastante reduzido. Dona Ana Maria e muitas outras foram beneficiadas por esta norma, já que para ela não resta dúvida de que a participação no PAA protege as agricultoras da especulação do comércio em atacado de alimentos. “Compensa, a gente se dá muito melhor trabalhando do jeito que ‘nós tá’, do que do lado de fora. A gente só tem a agradecer a Deus e a vocês todos”, referencia a produtora irrigante diretamente assistida pela Cohidro.

Simão Dias
Ainda na quarta-feira, depois da coleta realizada Appip no perímetro Piauí, os alimentos foram recebidos pelo Cras de Simão Dias para serem distribuídos, no mesmo dia, em quatro instituições municipais diferentes. O primeiro a beneficiado, com alimentos para o preparo de refeições, o Asilo São Francisco de Assis, mantido pela Secretaria Municipal Inclusão Social, segundo o secretário da pasta, Flávio Matos de Souza, ali os produtos alimentarão os 20 idosos internados e os 20 funcionários que se revezam nos cuidados.

Da mesma forma ocorreu no abrigo para menores, também gerido pela Inclusão do município e onde os alimentos doados pelos agricultores irrigantes de Lagarto, vão alimentar as 15 crianças lá internas hoje. Assim também foi na Unidade de Pronto Atendimento (Upa), da Saúde municipal, onde os produtos de primeira qualidade servidão para o preparo das dietas especiais recomendadas aos pacientes. “É uma grande importância para o asilo, para o Cras, para a UPA. A demanda de insegurança alimentar no município é alta, por isso a importância dessa parceria com a Cohidro e a Conab”, defendeu Flávio Matos, informando que hoje o Cras 2 tem cerca de 1.500 famílias carentes inscritas e no Cras 1, aproximadamente 2.000.

No Cras 1, no início da noite foram convocados os membros da Cooperativa de Catadores de Material Reciclável de Simão Dias  (Coocamar), para receberem kits de alimentos montados pela equipe da Inclusão municipal, com todos os itens coletados pela Appip em Lagarto. Segundo o secretário Flávio, o centro de referência presta auxílio diferenciado a estas famílias, para que abandonem a arriscada prática de coleta em lixões, a partir da profissionalização no ofício de coleta seletiva, nas ruas e instituições. Como ocorreu com o PAA, eles são incluídos em todo convênio ou parceria que a pasta Social disponibilizar para a comunidade, mas, além disso, os 38 recicladores recebem projetos específicos à classe, como cursos, capacitações e campanhas de conscientização da sociedade.

Além do secretário de Inclusão Social e os gestores dos Cras, também participaram das entregas o prefeito Marival Santana, os secretários de Saúde, Lenivaldo Nunes e Agricultura, José Caetano. No dia posterior, quinta-feira (8), toda estrutura de distribuição se refez, para então repassar os kits de alimentos para outras 90 famílias cadastradas nos dois centros de referência municipais.

Fonte: Ascom Cohidro

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here