O Departamento de Crimes Contra a Ordem Tributária e Administração Pública (Deotap) divulgou nesta sexta-feira (11), a conclusão de mais uma etapa das investigações sobre a existência de funcionários fantasmas e cargos comissionados nomeados pelo ex-deputado estadual e atual prefeito de Lagarto (SE) Valmir Monteiro. O inquérito foi aberto em 2015, embasado em requisições do Ministério Público. Ele será indiciado por peculato e desvio de verbas públicas.

De acordo com a delegada Thais Lemos, que coordenou as investigações, um dos nomeados pelo ex-deputado estadual, tentou solicitar aposentadoria rural e teve o pedido negado, pois existia um vínculo com a Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese). Diante disso, o inquérito foi aberto para apurar a distribuição de cargos comissionados pelo então parlamentar.

Em depoimento à Polícia, o homem alegou que não tinha conhecimento da existência do vínculo com a Alese e que também não tinha trabalhado na instituição. Ele também negou ter ficado com quantia em dinheiro ou devolvido valores ao ex-deputado. O homem disse que atuou como aliado político, sendo cabo eleitoral e lhe foi prometido que, caso o então parlamentar fosse eleito, a esposa receberia um emprego.

Foi apurado na investigação que a esposa do homem recebeu o cargo prometido e foi orientada pela assessoria parlamentar de que o trabalho consistia em comparecer dois dias na instituição e outros três em uma maternidade que a família do então deputado possuía na cidade de Lagarto (SE).

Durante a investigação também foi observado que nem o homem e nem a esposa possuíam qualificação para atuação nas funções a que foram designados. Ainda em depoimento, ele não soube precisar a nomenclatura do cargo do qual foi nomeado. Já a esposa disse que desconhecia o vínculo do marido com a Alese, confirmou que o dinheiro era depositado em uma conta e disse que foi exonerada pouco tempo depois da nomeação.

 

O Deotap solicitou à Assembleia Legislativa a lista de servidores lotados junto ao gabinete do então deputado. Ainda segundo a delegada, a maioria dos servidores convocados para esclarecimentos não sabia sequer a localização do gabinete do então deputado dentro do prédio da instituição ou a correta nomenclatura dos cargos que haviam sido nomeados.

Também constatou-se que muitos trabalhavam em uma associação rural no Povoado Água Fria, no município de Salgado, o que atestou que os servidores foram nomeados não para exercício de qualquer função na Alese, mas sim para finalidades particulares do então deputado.

A defesa do ex-deputado estadual disse que não sabe o teor da denúncia e ainda não vai se pronunciar.

O espaço permanece aberto, caso a assessoria deseje se pronunciar.

8 COMENTÁRIOS

  1. Uma informação dessas faz o povo de Lagarto desacreditar das palavras do nosso gestor.
    Lamentável falar á verdade !!

  2. Como se sempre …. imagine outros nessa ALESE … agora imagine nos outros cargos no governo municipal … estadual e federal … não é a toa que o Brasil em corrupção passar dos 200 bi por ano. Esse Valmir é uma vergonha e ainda tem gente que morrer de amor com uma coisa dessas. Uma vergonha para nossa sociedade! Lagarto … quando será que em sua maioria dos eleitorados dessa cidade vão criar vergonha na cara é escolher pessoas de verdade para administrar essa cidade … to até pesando em retorna para me candidatar na eleições de 2020 como nova opção … já que é difícil escolher com tantos pilotos picaretas que existir nessa cidade!!!!

  3. Ai como o povo de Lagarto se ilude com esse Valmir da Mamadeira, bicho, votei nesse cidadao em 2008, se arrepedimento matasse, eu teria até ressucitado

  4. CHEGA DE POLÍTICOS PROFISSIONAIS….NÃO QUEREM E NÃO LARGAM O OSSO DE JEITO NENHUM….PORQUÊ ??? NAO TEM DINHEIRO PARA AS NECESSIDADES DA POPULAÇÃO….MAS QUEREM A CHAVE DO COFRE….DEIXOU DE SER DEPUTADO PARA SER PREFEITO….A CHAVE FICA COM ELE….BRASIL PAÍS DIS TOLOS !!!

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here