Os taxistas associados na cooperativa Cooperlagarto, que já atuam no município há mais de 10 anos, sentindo-se prejudicados com a atuação de clandestinos e empresas de transporte públicos em situação irregular, solicitaram uma reunião com o Departamento de Trânsito e Transporte Urbanos – DTTU de Lagarto, para cobrar maior fiscalização destes. A reportagem do Portal Lagartense foi convidada a acompanhar o debate.

Na noite desta quarta-feira (4), uma reunião ocorreu na sede da cooperativa e contou com a presença de diretor do DTTU, Roberto Chaves,  Coordenador de Educação no Trânsito Ricleverton Fonseca; do Presidente da Cooperlagarto José Roberto; do Presidente da Federação dos Taxistas de Sergipe-FETAX Jonas Alves e de uma comissão dos taxistas associados.

Na ocasião, foram ouvidas várias denúncias por parte dos taxistas, a respeito dos táxis clandestinos que estão em número alarmante e prejudicando o rendimento financeiro da classe.

Segundo Chaves, o município de Lagarto não dispõe de uma Lei que penalize o transporte irregular de passageiros e isso acarreta no enfraquecimento do DTTU, para combate-los.

Sem uma lei, infelizmente nós não podemos fazer nada. No momento em que abordamos o motorista e questionamos, o mesmo alega estar dando carona para amigos, familiares e nós não temos como comprovar. O que nós estamos fazendo é multando por irregularidades, mas a retenção do veículo para o pátio não pode ser feita, pois não temos uma justificativa legal. Na maior parte das vezes, nós estamos cientes que se trata de um táxi clandestino, mas sem uma Lei nada pode ser feito”, afirmou Chaves.

A associação também questionou sobre a circulação de ônibus intermunicipais dentro da cidade, já que a Lei configura que esses transportes devem seguir apenas de um terminal rodoviário à outro.

Segundo o diretor do DTTU, várias multas estão sendo aplicadas quando os agentes registram o flagrante. Mas, alertou que a cooperativa de ônibus e vans Coopervan, que faz a linha Salgado – Lagarto, dispõe de um Alvará Municipal, fator esse que permite a circulação dentro deste município.

“Se o ônibus vem de Tobias e vai até o centro da cidade, é um passageiro a menos para nós taxistas do município“, protesta um dos profissionais cooperados.

Detalhe no para-brisas é um dos focos da reclamação. “Se o ônibus vai até o centro é um passageiro a menos para nós taxistas”, protesta um dos profissionais.

No total são 19 micro-ônibus que fazem a linha Salgado-Lagarto que dispõem de Alvará e podem trafegar, desde que seja no trajeto que está predefinido na licença, com ressalva para esse período, pois empresa foi notificada para regularizar o pagamento à receita do município, pois segundo Roberto, a Coopervan estaria com 5 (cinco) anos de pagamento atrasado, totalizando uma dívida vultosa. Entretanto, com essa exceção, o trafego ainda é permitido.

Roberto orientou aos taxistas que solicitem ao legislativo a implantação de uma Lei que proíba o circulação de táxis ou ônibus em situação irregular, ela já existe em vários outros municípios, pois só assim, o DTTU pode estar solucionando efetivamente esse problema.

A par de todas essas informações, a Cooperativa informou a nossa reportagem que irá se reunir em outro momento, para discutir estratégias.

Nós vamos lutar por todo direito que nos é concedido, é daqui que tiramos nosso sustento, não podemos deixar faltar o pão em nossas casas”, afirmou José Roberto, presidente da Cooperlagarto.

1 COMENTÁRIO

  1. Engraçado que nessa reunião não foi abordado, o superfaturamento que são cobrado nas passagens ao pegar um táxi.
    TAXISTAS O UBER ACERTA COM VOCÊS (kkk).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here