Em Boletim de Ocorrência registrado no 7º BPM, policiais militares envolvidos no caso Walla Viana, em que o advogado denunciou truculência e agressão por parte da PM durante uma festa no último domingo em Lagarto, acusam o profissional de resistência à prisão e de ter quebrado o carregador de uma pistola policial.

No boletim, policiais informaram que Walla tentou retirar da caminhonete uma pessoa que estava sendo levada à delegacia por envolvimento em uma briga. A acusação é de que o advogado deferiu palavrões, agrediu um soldado e jogou um copo de bebida em outro, tendo que ser contido pelos PMs.

O caso gerou polêmica e Walla informou que foi somente solicitar informações acerca da prisão de um folião conhecido que participava do evento, quando foi agredido pelos policiais. A OAB-SE se posicionou repudiando a ação da PM e disse que irá tomar providências para que o caso seja investigado e os culpados punidos.

3 COMENTÁRIOS

  1. Advogado não está acima da lei, ainda mais quando está alcoolizado interferindo no trabalho da força de segurança. Bom trabalho da polícia militar, quem não quer apanhar não atente contra profissionais que davam segurança e ele próprio. Exercício da função de advogado não é no momento recreativo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here