Organizar a gestão da cadeia de suprimentos sempre foi um verdadeiro desafio para as empresas de pequeno, médio e grande porte. Entretanto, com a chegada do código de barras, a otimização do processo deu um verdadeiro salto.

Um exemplo positivo, que podemos citar, vêm da fabricante de calçados femininos Via Marte, localizada em Nova Hartz. Com a automação e aplicação do código de barras na cadeia de suprimentos a empresa conseguiu gerar uma economia de R$ 500 mil por ano.

De acordo com Ivan Kautzmann, gerente de tecnologia de informação, a iniciativa de automatizar a cadeia de suprimentos, gerou tamanha economia, em virtude da precisão, aceleração e integração nos processos de venda, produção, estoque, separação e despacho das mercadorias.

Esse é apenas um dos inúmeros exemplos de empresa que passaram a economizar com a aplicação do código de barras na cadeia de suprimentos da empresa.

As dificuldades enfrentadas na cadeia de suprimentos

Por bastante tempo, as empresas enfrentaram imensas dificuldades para gerir e otimizar a sua cadeia de suprimentos. E ainda enfrentam. Contudo, com a chegada do código de barras muita coisa mudou.

A cadeia de suprimentos, em linhas gerais, nada mais é que todo o processo logístico que um produto ou serviço precisa passar, desde o processo de fabricação, até a entrega do produto acabado para o consumidor.

Logo, você já deve imaginar todo o processo que envolve a cadeia de suprimentos, começando na entrada do pedido na fábrica, depois a cotação da matéria prima junto aos fornecedores, a compra efetiva da matéria prima, a chegada da mesma na empresa, a estocagem, o encaminhamento para a linha de produção, a produção, novamente estocagem, entrega para os distribuidores, estocagem novamente e venda para o consumidor final.

Repare, que dentro de todo esse processo, poderá haver desperdício, retrabalho caso a mercadoria venha em desconformidade, e também pessoas que precisam acompanhar e conferir todo esse processo logístico.

Nesse sentido, dá para imaginar as dificuldades enfrentadas pelas empresas cotidianamente para que os produtos cheguem com o máximo de qualidade para o consumidor final.

Da dificuldade à solução

Como salientamos, as dificuldades nesse processo de suprimentos sempre foram um verdadeiro desafio para os empresários, sejam eles micro, pequenos, médios ou grandes. E estudos são desenvolvidos constantemente na área.

Entretanto, com o surgimento do código de barras muita coisa mudou. E para melhor. Isso porque, o código de barras possibilitou uma maior otimização na gestão da cadeia de suprimentos, gerando mais rapidez e dinamismo para as empresas.

Desse modo, para entender como o código de barras transformou a realidade das empresas, é preciso entender cada uma das etapas da cadeia de suprimentos, e como o código de barras atua em cada etapa.

A compra da matéria prima e estocagem inicial

O primeiro procedimento na cadeia de suprimentos é a compra da matéria prima para a produção do produto. Antes do código de barras, avaliar se essa matéria prima estava faltando era um processo manual, muitas vezes no olho mesmo.

Com isso, é possível imaginar que, a matéria prima por vezes chegava a faltar, travando a produção, ou por vezes chegava a vencer no estoque, por ter sido comprada em demasia e não utilizada.

Com a chegada do código de barras, é possível ao responsável pelas compras avaliar em tempo real a quantidade de matéria prima estocada. Saber quanto será a utilização pela produção e não deixar faltar. O ganho nessa etapa é realmente alto.

Produção e estocagem do produto acabado

Após a matéria prima sair da estocagem e entrar na linha de produção ela transforma-se em produto acabado, e ganha novamente um novo código.

Note que, nessa etapa também, sem o uso do código de barras, a gestão da produção torna-se bastante ineficiente, pois, ora falta produtos acabados no estoque, ora sobra, fazendo com que a empresa precise ficar mexendo no preço de venda.

Com a implantação do código de barras, a produção é puxada pela falta de produtos no estoque acabado. Sendo que, quando tais produtos chegam em uma determinada quantidade já é emitido uma ordem de produção.

O gerente de produção então puxa a matéria prima do estoque de matérias primas. E através da otimização, essa nunca estará em falta. Note, como o código de barras gera tamanha eficiência no processo.

Pois, com um abastecimento do estoque acabado de maneira constante, os preços se estabilizam, e em alguns casos até chegam a cair, dando ainda mais competitividade para a empresa dentro do mercado.

Estoque nas lojas e entrega para o consumidor final

Como vimos, com a automatização de processos da indústria, os produtos nunca estarão em falta, e o abastecimento dos distribuidores será mais constante, não permitindo que os produtos venham faltar nas gôndolas.

Todavia, os lojistas que se encarregarão de vender para o consumidor final também deverão ter um sistema de código de barras instalado, para permitir que o produto não venha a faltar e nem a vencer nas prateleiras.

Pois, através dessa gestão otimizada, o responsável pelas compras, acompanhará o giro de estoque, e o volume do produto no estoque. Baseado na média das vendas diárias de tal produto, trabalhará com um estoque mínimo, onde deverá fazer uma nova compra.

Nesse sentido, os produtos jamais faltarão nas prateleiras, o que acarretará, automaticamente em mais faturamento. Afinal, quando o cliente entra em uma loja e não encontra o produto que deseja, irá procurar o mesmo produto em uma loja concorrente.

O código de barras revolucionou a cadeia de suprimentos

Como você deve ter observado, o código de barras revolucionou a cadeia de suprimentos. Melhorando a estocagem, desde a matéria prima antes da produção, até o produto acabado nas gôndolas do comércio.

Tal eficiência, colaborou inclusive para o aumento do comércio eletrônico, que necessita de uma eficiência ainda maior para que o cliente final saia absolutamente satisfeito com a compra do produto.

Um outro detalhe, é que a aplicação do código de barras possibilita redução de custos com pessoal, afinal, não há mais tanta a necessidade do contador de estoque físico, sendo que o sistema é atualizado em tempo real.

Com efeito, o código de barras basicamente revolucionou toda a cadeia de suprimentos de uma empresa. E quem mais saiu ganhando com isso? O consumidor final.

Fonte: Assessoria 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here