Desde o último mês de maio, os moradores do povoado Mariquita de Baixo, na zona rural de Lagarto, estão sem acesso a água de um poço artesiano e, por isso, vivem um drama que para muitos parece não ter fim. O tema já foi mostrado em reportagem do Portal Lagartense, mas nesta semana a nossa redação voltou a receber apelos de moradores.

Poço que foi restrito tem baixa vazão, segundo a Prefeitura de Lagarto

Segundo relatos de uma moradora, que preferiu não ser identificada, todo o problema gira em torno de dois poços artesianos: o primeiro, de propriedade da prefeitura, e que foi restrito a uma unidade escolar; e o outro de propriedade do Governo do Estado, que necessita da instalação de bombas para funcionar.

Nesse entremeio, ela afirmou que a comunidade tem recebido apenas desculpas. “A água que antes era para a comunidade ficou restrita a escola e, desde então, ficamos apenas na promessa. A prefeitura diz que vai procurar o vereador [Washingnton da Mariquita] para conseguir uma autorização para ficar com o poço, mas ele não aceita e fica nesse jogo de empurra”, lamentou.

E completou: “Já procuramos o Ministério Público para resolver esta situação e eles estão esperando uma resposta da Secretaria de Obras. Assim, a gente fica sem esperança alguma, porque temos que esperar Deus fazer esse milagre. Porque foi um grande erro colocar um poço que era da comunidade para a escola. Nem uma torneira eles deixaram para nós. Isso não existe! Disseram que era porque nele havia somente dois metros, mas no final de semana a caixa fica derramando água”.

O que dizem as autoridades

Ao Portal Lagartense, a Prefeitura Municipal de Lagarto informou que o poço de propriedade do Município foi restrito a escola, devido a sua baixa capacidade de abastecimento junto a comunidade. “A escola se utiliza da pouquíssima água que sai do poço”, completou a gestão municipal.

Além disso, na última sexta-feira (9), a gestão municipal enviou uma bomba d’água para colocar o poço de propriedade do Governo do Estado em funcionamento. Contudo, a iniciativa foi sem sucesso. Uma vez que, de acordo com o vereador Washington da Mariquita, o terreno foi doado pelo seu pai ao Estado de Sergipe.

Vereador diz que o poço será entregue até o final do mês

“Aquele poço sempre teve vazão. Solicitei a prefeitura por diversas vezes que colocasse ele em funcionamento, mas nada aconteceu. Então meu pai doou o terreno para o Estado, a fim de que ele colocasse o poço para funcionar. Tudo foi feito, mas faltam algumas coisas. Por isso, os técnicos da Cohidro vieram até o povoado saber o que estava faltando para concluir a instalação, e informaram que a bomba está sendo licitada e que o poço será entregue até o final deste mês”, informou o edil.

Vale destacar que, assim como em diversas comunidades rurais, o povoado Mariquita de Baixo possui água encanada, e a água do poço artesiano é utilizada como um complemento pelos moradores da região.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here