Uma epidemia de peste bubônica e pneumônica que atinge Madagascar já deixou pelo menos 74 mortos, segundo a Federação Internacional da Cruz Vermelha.

Crianças usam máscaras para se protegerem de contágio em escola em Antananarivo, Madagascar, em foto de 3 de outubro (Foto: AP Photo/Alexander Joe)
Crianças usam máscaras para se protegerem de contágio em escola em Antananarivo, Madagascar, em foto de 3 de outubro (Foto: AP Photo/Alexander Joe)

O secretário-geral da Cruz Vermelha, Elhadj as Sy, foi nesta quarta-feira (18) até o país para coordenar a resposta à doença.

Mais de 800 pessoas foram afetadas pela epidemia, que, habitualmente, já contagia 400 pessoas em todo o país em surtos regulares a cada ano.

Essa estatística reflete uma maior incidência da doença neste ano. Ao contrário de outras ocasiões, o surto não é apenas de peste bubônica, mas sim de uma modalidade da doença na qual a bactéria afeta o sistema linfático.

Em alguns casos, essa bactéria passa do sistema linfático para o pulmonar, permitindo assim a transmissão entre humanos, através da tosse ou saliva, o que não ocorre com a peste bubônica.

A versão pulmonar, provocada pela bactéria Yersinia pestis é a mais perigosa e de tratamento mais difícil do que a linfática. A doença pode matar em 24 horas se não for tratada com antibióticos.

Mais de 70% dos casos confirmados neste último surto correspondem à variante pulmonar.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda quarentena para isolar o contágio, que também pode ocorrer no contato entre humanos e animais, já que a bactéria está presente em roedores selvagens e em suas pulgas.

Voluntários da Cruz Vermelha orientam moradores de Antananarivo, Madagascar, sobre os casos de peste bubônica no país, na segunda-feira (16) (Foto: AP Photo/Alexander Joe)
Voluntários da Cruz Vermelha orientam moradores de Antananarivo, Madagascar, sobre os casos de peste bubônica no país, na segunda-feira (16) (Foto: AP Photo/Alexander Joe)

A Cruz Vermelha autorizou o envio de US$ 1 milhão para a filial local, que também contará com o reforço de mais de 2.600 voluntários que estão recebendo treinamento para combater a epidemia.

A OMS já enviou 1,2 milhão de doses de antibióticos para o país, suficiente para tratar 5 mil pessoas e imunizar 100 mil.

Apesar do alerta gerado no país, a OMS garantiu que no último dia 3 o risco de propagação internacional é “baixo”. Por isso, afirmou que não há razões para restringir viagens ou o comércio com Madagascar.

Diferentemente de outros surtos da doença no país, desta vez a peste se propagou em algumas das principais áreas urbanas do país, incluindo a capital, Antananarivo, que tem mais de 2 milhões de habitantes, e cidades portuárias.

A OMS está preocupada com o alto número de vítimas, já que a temporada de focos da doença, que se estende até abril, acaba de começar.

Por Bem Estar

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here