O ministro do Desenvolvimento Regional, Gustavo Canuto, ao se reunir com o governador Belivaldo Chagas na tarde da última quarta-feira, 23, no Palácio de Despachos, anunciou a chegada de mil kits de equipamentos de proteção individual para limpeza das praias e a liberação de R$ 2,5 milhões que serão empregados no combate ao óleo que adentrou no litoral sergipano desde o dia dois de setembro.

Reunião discutiu ações para minimizar o impacto ambiental do derramamento de óleo que atingiu as praias de Sergipe.

 

Acompanharam a reunião, o prefeito de Aracaju, Edvaldo Nogueira e o presidente da Assembleia Legislativa de Sergipe (Alese), Luciano Bispo. 

O governador Belivaldo Chagas afirmou que os recursos liberados serão utilizados num plano de ação que se encontra pronto para dar continuidade aos trabalhos de prevenção e limpeza das praias. “Algumas ações estavam sendo bancadas com recursos do tesouro estadual, a exemplo das boias que colocamos na Coroa do Meio para impedir que o óleo entrasse no rio Sergipe e que tinham um custo diário de R$ 7 mil”, destacou.

“O governo federal teve boa vontade, mas como é uma coisa nova, ficou difícil de enfrentar”, disse Belivaldo.

Belivaldo Chagas aproveitou a presença do ministro para apresentar as ações que o governo, junto com as prefeituras dos sete municípios atingidos pelo óleo, vem executando para minimizar os danos causados pelo incidente ambiental.

Ele também reforçou a necessidade de analisar as consequências que esse óleo causou junto à população litorânea e pediu ao ministro para que promova uma reunião com os Ministérios do Meio Ambiente, Agricultura e demais ministérios que estejam atuando no problema, para que sejam definidas ações concretas no que se refere à prevenção e limpeza das praias como vem sendo executado.

“Estamos observando problemas nas áreas do turismo e da pesca. Vários pacotes turísticos para o nordeste estão sendo cancelados e as pessoas que vivem da pesca já estão temendo pela sobrevivência. Mas este é um problema que ninguém conhecia. O fato é que os governos federal, estaduais e municipais não estavam preparados para conviver com esse tipo de incidente. O governo federal teve boa vontade, mas como é uma coisa nova, ficou difícil de enfrentar. Os governos têm trabalhado, os recursos estão chegando e vamos colocar isso em prática”, acentuou.

Fonte: ASN

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here