PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
post
page
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
post
page
Publicidade

Disco histórico dos Titãs, ‘Cabeça dinossauro’ é reeditado em CD para marcar os 35 anos do álbum de 1986

Álbum histórico que consolidou o nome do grupo Titãs no universo pop brasileiro, Cabeça dinossauro foi lançado originalmente em 25 de junho de 1986. Foi o terceiro álbum da banda paulistana, mas o primeiro a delinear uma assinatura para o octeto, até então com repertório intencionalmente eclético, sem um foco específico.

Para celebrar os 35 anos desse disco em que o grupo paulistano questionou instituições tradicionais como em músicas como Família (Arnaldo Antunes e Tony Bellotto), Igreja (Nando Reis) e Polícia (Tony Bellotto), a gravadora Warner Music repõe no mercado fonográfico uma “tiragem especial” da edição em CD de Cabeça dinossauro.

A rigor, já existe uma definitiva edição em CD do álbum, lançada na forma de disco duplo, em 2012, para festejar os 30 anos de vida dos Titãs. Essa versão apresentou no disco 2 as versões embrionárias – demos, no jargão fonográfico – das 13 músicas que compõem o corrosivo repertório autoral do álbum produzido por Liminha, Pena Schmidt e Vitor Farias.

Disponível para compra desde sexta-feira, 25 de junho de 2021, a atual edição em CD de Cabeça dinossauro é simples e reproduz somente o álbum original. Mas escapa de ser dispensável porque qualquer CD atualmente é artigo raro no mercado fonográfico do Brasil.

Como o formato agoniza em mercado que voltou a priorizar o LP como a principal mídia física, pode ser que a edição comemorativa dos 35 anos do álbum Cabeça dinossauro atraia alguns seguidores tardios da banda que queiram completar a coleção.

Disco de aura punk que elevou o status do rock brasileiro em ano consagrador para o gênero (1986 também gerou álbuns igualmente antológicos de Legião Urbana e Paralamas do Sucesso, Dois e Selvagem?, respectivamente), Cabeça dinossauro disparou petardos para a posteridade.

AA UU (Marcelo Fromer e Sergio Brito), Bichos escrotos (Arnaldo Antunes, Nando Reis e Sérgio Britto), Homem primata (Marcelo Fromer, Nando Reis, Sergio Britto e Ciro Pessoa) e O quê (Arnaldo Antunes), por exemplo, são músicas ainda hoje e eternamente infalíveis nos shows dos Titãs.

Publicidade