A lagartense Elissandra do Nascimento Santana, de 37 anos, popularmente conhecida por Sandrinha, foi selecionada pela Organização das Nações Unidas (ONU) para integrar uma missão humanitária que visa o combate ao racismo e ao trabalho escravo. Ao Portal Lagartense, ela confidenciou que sua seleção se deve a um levantamento realizado pelos Direitos Humanos.

Elissandra é servidora pública da Prefeitura Municipal de Lagarto

“Os Direitos Humanos divulgaram um relatório constatando que ainda há racismo e trabalho escravo no mundo. Então, para amenizar esta situação, a ONU abriu uma seleção para estudantes afrodescendentes, e desta vez incluiu o Brasil. Uma vez que Bolsonaro acabou com as cotas raciais”, conta.

Na processo seletivo, Elissandra foi aprovada com o projeto intitulado “A importância da mulher negra na sociedade contemporânea”. Nele, a lagartense, que é formada em Letras Vernáculas pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), Pós-Graduada em Gestão Pública pela Unit, e mestranda em Diplomacia pela Universidade de Brasília (UnB), aborda temas ligados a conquista feminina do voto e ao empoderamento da mulheres.

Por isso, entre os dias 25 de novembro e 13 de dezembro, Sandrinha estará em Genebra, na Suíça, onde todos os bolsistas selecionados passarão por um curso de aprendizagem intensiva em questões de direitos humanos de particular importância para os afrodescendentes em todo o mundo. Depois da capacitação, a lagartense retornará a sua cidade, onde aplicará iniciativas que promovam a igualdade racial e o fim do trabalho escravo.

Obstáculos para o cumprimento da missão

Como é de conhecimento público, a Europa tem recebido, nos últimos tempos, refugiados do continente africano. Por isso, Elissandra teme não conseguir adentrar em território francês, de onde seguirá para a Suíça.

“Terei que escrever uma carta com 500 palavras para o Consulado Francês falando da importância desse projeto, porque o curso colocará mais afrodescendentes em território francês. É uma questão de diplomacia, em que a relação entre França e Brasil pesará na concessão do visto”, observa.

Apesar do obstáculo diplomático, Sandrinha tem esperança que tudo ocorra dentro dos conformes. “Estou muito feliz e acredito que dará tudo certo, afinal de contas esta é a segunda vez que participo de uma missão humanitária pela ONU”, argumenta.

O Programa da ONU

O Programa de Bolsas de Estudo é uma das principais atividades realizadas durante a Década Internacional de Afrodescendentes das Nações Unidas (2015-2024), e foi lançada para melhorar efetivamente a situação dos direitos humanos dos povos afrodescendentes em todo o mundo.

4 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here