No próximo dia 11, o itabaianense José Ginaldo de Jesus lançará sua segunda obra literária, na Biblioteca Pública Municipal José Vicente de Carvalho, em Lagarto. O evento está marcado para às 17h e deve reunir integrantes da Academia Lagartense de Letras, bem como da Academia Sergipana de Letras.

Prefácio do livro foi escrito pelo historiador lagartense Dr. Claudefranklin Monteiro

Segundo José Ginaldo, a obra, intitulada Concepções Poéticas, consiste numa coletânea de poesias que escreveu ao longo de mais de 40 anos, e nasceu das suas experiências culturais vividas em alguns municípios, tais como: Itabaiana, Maruim, Estância, Salgado e Lagarto. Nesta última, grupos como a Filarmônica Lira Popular, a Banda Lacertae e Los Guaranis, além dos folclóricos Parafusos são homenageados.

“O livro começa fazendo uma exaltação a trindade santa, depois homenageia a mãe de Jesus, a São Francisco de Assis, e também contempla muitas questões sociais relacionadas ao abandono dos poderes públicos, ao sofrimento do homem do campo, a fome, E a falta de água. Por isso, ele é voltado para todas as idades, pois tem uma temática bastante eclética”, detalha o autor.

José Ginaldo de Jesus

Além disso, diante da crítica popular, Ginaldo espera apenas dar alguma contribuição aos amantes da literatura. “É um grande desafio colocar um livro na prateleira, de modo que cada livro feito é como uma sensação de um filho que nasceu, porque passa por um estado de gestação muito grande. Mas também é uma felicidade muito grande, porque você estará contribuindo com alguma reflexão e eu tenho certeza que meus dois livros vão marcar os leitores”, frisa.

Trajetória

José Ginaldo de Jesus é natural da cidade de Itabaiana. Lá, ele participou de atividades teatrais. Depois foi aprovado em concurso público e tornou-se servidor do Correios, onde exerceu a função de professor, por 12 anos, e assessor de comunicação, por outros 10 anos. “Minha vocação para a literatura veio a partir da leitura, porque sou um grande leitor, como também creio que foi da inspiração divina. Sinto que devo colocar no papel os meus sentimentos e emoções”, comenta Ginaldo.

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here