Segundo um relatório do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa), da Força Aérea Brasileira (FAB, divulgado na última quinta-feira, 29, a queda da aeronave que transportava o cantor Gabriel Diniz, de 28 anos, em maio do ano passado, foi causada por condições meteorológicas adversas e indisciplina de um dos pilotos. 

De acordo com o relatório, o piloto Linaldo Xavier não avaliou adequadamente os parâmetros para a operação da aeronave Piper Cherokee PT-KLO, decidindo continuar com o voo, mesmo em condições meteorológicas desfavoráveis. O outro piloto que estava na aeronave, Abraão Farias, também veio a óbito. No entanto, o relatório afirma que apenas Linaldo Xavier estava exercendo as funções de piloto no momento do acidente.

(Foto: Marcos Rodrigues/ASN/Divulgação).

O documento também aponta que a aeronave, fabricada em 1974, não estava equipada com radar meteorológico, além de não estar certificada para voar sob Regras de Voo por Instrumentos (IFR), não tendo, portanto, autorização da Agência Nacional de Aviação (Anac) para operar sem VMC (Condições de Voo Visual). 

Por conta disso, a investigação concluiu que “não considerar os procedimentos previstos para se manter em condições de voo visuais concorreu para a exposição da aeronave a elevado risco de acidente”, fator que contribuiu para a queda da aeronave, no dia 27 de maio de 2019, no Povoado Porto do Mato, no município de Estância, em Sergipe. 

Apesar de possuir 83h50m de experiência de voo, licença de Piloto Privado – Avião (PPR) e estar com a habilitação de Avião Monomotor Terrestre (MNTE) válida. Linaldo Xavier estava qualificado apenas para realizar o voo em rota em condições estritamente visuais. 

Com informações do G1

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here