PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
post
page
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
post
page
Publicidade

Justiça da BA decreta prisão de candidato a vice-governador de SE

A Justiça da Bahia determinou na última quinta-feira, 4, a prisão temporária de sete pessoas, entre elas, o empresário Sérgio Gama, candidato a vice-governador de Sergipe na chapa liderada pelo candidato Rogério Carvalho (PT). Eles estão sendo investigados por denúncias de que estariam circulando armados ou em companhia de grupo armado para ameaçar posseiros no intuito de que se retirem de uma área, no município baiano de Itapicuru, comprada recentemente da empresa Cal Trevo.

No processo, disponível no site do Tribunal de Justiça da Bahia, é possível visualizar que o pedido de prisão de Sérgio e outras seis pessoas partiu da Delegacia Territorial de Alagoinhas, por crimes contra a liberdade pessoal, ameaça, crimes contra o patrimônio, associação criminosa, entre outros.

Com a repercussão do caso, a defesa do político sergipano alegou perseguição política e e que ele não tem envolvimento com atos ilícitos e que sequer foi ouvido pelas autoridades. Confira a nota que foi emitida à imprensa pela assessoria jurídica de Gama:

“Em relação aos fatos veiculados na imprensa de que o candidato Sérgio Gama estaria sendo acusado de ameaçar posseiros com mandado de prisão expedido, a assessoria de jurídica esclarece que (i) o candidato jamais teve qualquer envolvimento em atos ilícitos; (ii) que adquiriu em 2021 em sociedade uma área no município de Itapicuru de propriedade da CalTrevo, gerando mais de 30 empregos; (iii) que as acusações são mentirosas e desprovidas de qualquer prova; (iv) coincidentemente esses fatos são apresentados durante o pleito eleitoral dentro de um procedimento que o acusado sequer foi ouvido, o que atesta o uso de informações falsas com o único intuito de manchar a sua honra e imagem. Reforçamos que tomaremos as medidas jurídicas cabíveis cíveis e criminais”.

Publicidade