PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
post
page
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
post
page
Publicidade

Dólar cai para R$ 5,22 após reunião do Copom

As expectativas de desaceleração na economia dos Estados Unidos e as indicações de que o Banco Central (BC) brasileiro está perto de encerrar o ciclo de alta nos juros fizeram o mercado financeiro ter um dia de tranquilidade. O dólar caiu e voltou a aproximar-se de R$ 5,2. A bolsa de valores subiu mais de 2% e atingiu o nível mais alto em quase dois meses.

O dólar comercial encerrou na última quinta-feira, 04, vendido a R$ 5,22, com queda de R$ 0,058 (-1,09%). A cotação iniciou o dia em alta, mas inverteu a tendência seguindo o mercado internacional, até encerrar próxima das mínimas do dia.

Apesar da queda de hoje, o dólar ainda acumula alta de 0,89% na semana. Na última sexta-feira, 29, a divisa estava sendo vendida a R$ 5,174.

O mercado de ações teve mais um dia de fortes ganhos. O índice Ibovespa, da B3, fechou aos 105.892 pontos, com alta de 2,04%. Impulsionada pela divulgação de lucros de empresas acima do previsto e pela aposta no fim das altas na Selic (juros básicos da economia), a bolsa brasileira fechou no maior patamar desde 9 de junho.

Após o fim da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que aumentou a Selic para 13,75% ao ano, o Banco Central emitiu um comunicado em que admite que aumentará os juros para 14% ao ano na próxima reunião, no fim de setembro, devendo encerrar o ciclo de alta nos juros básicos, que sobem desde março do ano passado. As apostas no fim da alta de juros favorecem a bolsa de valores, porque isso estimula os investidores a buscarem investimentos de maior risco, como ações.

Além do impulso interno, o mercado financeiro contou com a ajuda do exterior na quinta-feira. O dólar caiu em todo o planeta, com base na expectativa de divulgação de dados de emprego nos Estados Unidos. Caso o mercado de trabalho nos Estados Unidos desacelere, aumentam as chances de que o Federal Reserve (Fed, Banco Central norte-americano) comece a reduzir os juros básicos em 2023.

Fonte: Agência Brasil

Publicidade