PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
post
page
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Post Type Selectors
post
page
Publicidade

Fechado desde 2020, Palácio-Museu Olímpio Campos reabre para visitação

Um dos maiores símbolos da história política, cultural e arquitetônica de Sergipe foi reaberto ao público na tarde da última terça-feira, 21. A reabertura do Palácio-Museu Olímpio Campos (PMOC) aconteceu com muita festa dos funcionários e visitantes, ritmados por atrações culturais do estado, embalados pelo mês junino.

Fechado desde 2020, o imponente prédio, que já foi a antiga sede do Governo do Estado de Sergipe e está localizado entre as praças Fausto Cardoso, Almirante Barroso e Olímpio Campos, recebeu algumas restaurações em ambientes e objetos. “Nesse tempo, foram restaurados ambientes das partes inferior e superior, como também objetos, principalmente, de cobre, que estavam danificados. Foi colocado também, no quarto feminino do local, a imagem da primeira vereadora mulher do estado, dona Noélia de Oliveira, do município de Carmópolis, ao lado de tantas outras pioneiras de importância políticas”, disse a Karoliny Acioli, gestora em turismo, ligada à Coordenação Museológica do local.

Com a restauração, o Governo Estadual não só valoriza o sítio arquitetônico, como também faz um resgate histórico da vida política sergipana e cria mais um espaço cultural no cotidiano da cidade. “Passamos dois anos fechado, então o governador Belivaldo Chagas, preocupado com a história política de Sergipe, possibilitou que a gente restabelecesse o nosso acervo, dando a oportunidade de climatizarmos boa parte do local e toda a estrutura física”, salientou o diretor administrativo Elicelmo Zuzarte França.

Para Zuzarte, o Palácio-Museu é uma referência turística do estado. “Aqui fica a sede do governo estadual, local onde o governador despacha, realiza audiências e suas solenidades de prestígio a outros chefes de governo. Então, estamos preparados, não só para atender o turista, mas quando o governador estiver despachando”, disse o diretor administrativo, que ainda reforçou que o local recebia por ano cerca de 2.500 visitantes, incluindo estudantes e turistas.

“A reabertura é bastante significativa porque é, mais uma vez, a devolução de um prédio do século XIX, que foi construído e criado para ser a sede do poder executivo e essa devolução é muito importante para o Sergipano. A partir de agora, a população vai poder entender a relevância dos nossos governantes para a história do estado, já que o palácio tem como missão, mostrar a história política do estado e a história política de cada representante, mostrando o que eles fizeram, como viveram, como trabalhavam nesse prédio”, garantiu a historiadora Izaura Ramos.

Programação especial

Os ritmos e vozes em alusão aos festejos juninos tomaram conta do Palácio-Museu Olímpio Campos. Quem passou pela frente do local, ficou atraído a dar uma bisbilhotada no que estava acontecendo, outros, marcaram de se encontrar e prestigiar a reabertura do local que conta parte da história política sergipana, como foi o caso dos servidores públicos Guilherme Bratz Uberti e Caio Jordão, que aproveitaram a sua colega sergipana Isadora Bastos, como guia cultural do dia.

“Os prédios históricos dessa cidade têm uma relevância muito grande. Para falar a verdade, eu não conhecia o Palácio, já tinha vindo conhecer a Praça [Olímpio Campos] em outros momentos, justamente para também visitar esses prédios históricos, mas quando eu chegava os encontrava fechados, agora estou feliz por ter a oportunidade de conhecer a história de Aracaju e Sergipe”, disse o pernambucano Caio Jordão.

Para o gaúcho Guilherme Bratz,  prédios como o Pmoc reforçam a relevância da história do estado. “Acho importante porque quem vem de fora tem a oportunidade de conhecer a história política do local. Eu sempre busco esses eventos culturais, locais de significância, para saber sobre o estado em que eu estou morando e entender as raízes locais. Estou sempre buscando prédios como esses na capital e no interior porque eles guardam a essência e para entender a história sergipana. Vê-los revitalizados me deixa feliz”, garantiu o servidor público.

“Esse é mais um lugar para atrair as pessoas para Sergipe. Aqui, quem chegar, seja turista ou sergipano, poderá aprender sobre a história política do nosso estado e um pouco, também, da nossa cultura, que é esquecida muitas vezes, mas, aqui, fazemos questão de reforçar”, disse Karoliny Acioli.

Palácio-Museu

Construção em estilo neoclássico, com influência greco-romana, abriga pinturas de Orestes Gatti e esculturas de Cercelli. Tombado em 1985, o palácio foi erguido no século XIX e inaugurado no ano de 1863. Funcionou como sede do governo estadual até 1995, quando as tarefas de governo foram transferidas para o Palácio dos Despachos, na avenida Adélia Franco.

O Palácio sofreu uma grande reforma no século XIX, sob as referências do ecletismo europeu, que alterou significativamente sua fachada e seu interior. Em 2007, o Governo de Sergipe iniciou um amplo processo de recuperação do imóvel, que contemplou as áreas internas e a fechada do casarão, além da restauração dos elementos artísticos e móveis. A recuperação do palácio contou com a instalação de uma rede de internet e aquisição de novos móveis.

Nesse último fechamento, em 2020, o Governo de Sergipe trabalhou para climatizar parte do pavimento superior do local, onde os governadores residiam e que conta com nove ambientes; e reestruturar o pavimento inferior, onde existem outros sete ambientes.

O museu conta com galeria de fotos dos governadores e vice-governadores, assim como biblioteca, medalhas e seus documentos pessoais; e um quarto decorado em homenagem às mulheres que se destacaram na evolução política de Sergipe. O museu-palácio está aberto ao público das terças às sextas-feiras, das 9h às 17h, e aos sábados e domingos, da 9h às 13h. Para os colégios, o museu adota o sistema de marcação, podendo entrar no recinto até 50 pessoas por turno (matutino ou vespertino). A entrada é gratuita.

Publicidade